Roman, Mashrou’ Leila e a legitimada cobrança

Olá. Sou eu, Carla. A nômade, a verdadeira desafiadora do desconhecido. Não sei ao certo como vim parar aqui, ou mesmo a localização exata. Penando melhor após uma breve pausa, lembro-me de Navios mercantes. Aqui faz muito calor e não vejo árvores para me abrigar neste mar deserto, de areia fina e pedregulhos hostis. Então caminhei. Caminhei até chegar numa espécie de construção abandonada. Lá encontrei pessoas, pessoas diferentes com trajes diferentes falando numa língua que eu não compreendia. Todas mulheres. Havia uma única que conseguia me entender, perguntou gentilmente o que eu fazia ali, se estava perdida. Como minha mente ainda estava confusa, apenas mencionei um Navio mercante. A mulher sorriu e disse que certamente foram os romanos que haviam me trazido até ali.

Continuar lendo “Roman, Mashrou’ Leila e a legitimada cobrança”

Lalisa, Lisa

Tailândia, oficialmente Reino da Tailândia (em tailandês: ราชอาณาจักรไทย; romanização: Ratcha Anachak Thai, pronunciado: [râːtɕʰa-ʔaːnaːtɕɑ̀k-tʰɑj]), anteriormente conhecida como Sião (em tailandês: สยาม) é um estado soberano no centro da península da Indochina, no Sudeste asiático. É limitado a norte por Mianmar e Laos, a leste por Laos e Camboja, a sul pelo Golfo da Tailândia e pela Malásia, e a oeste pelo Mar de Andamão e pela extremidade sul de Mianmar. Suas fronteiras marítimas incluem o Vietnã, no Golfo da Tailândia, para o sudeste; e a Indonésia e a Índia no mar de Andamão, a sudoeste.

Continuar lendo “Lalisa, Lisa”

Orishas: de raízes ao valor da música inestimável

O que faz uma música ser música? Saber tocar, saber escrever, ter alma, tocar o coração? E se, neste caso, tivermos tudo isso em algo chamado raízes? Poder contar a história de sua terra natal carregando uma bagagem imensa de cultura e musicalidade, com orgulho e de cabeça erguida. Orishas é tudo isso. Um grupo de Hip Hop cubano de Havana, Cuba, fundado em 1999. Pioneiro no gênero em seu país, Orishas também carrega em seu nome a referência direta (Orixás) ao conjunto de divindades cultuadas nas religiões de base africana nas Américas, como a santería em Cuba e o candomblé no Brasil, decorrentes da realocação de escravos iorubás.

Continuar lendo “Orishas: de raízes ao valor da música inestimável”

Stalker, Shameless: Fei e Camila Cabello na rota do Industrial

Enquanto seu fantoche favorito não lança uma música que preste, temos Fei. A ex-integrante do grupo sul-coreano miss A, cuja existência fora obliterada num pacto coletivo entre os fãs do grupo, onde somente o nome Suzy traz algum interesse para relembrar os tempos passados. Não é meu caso, creio que só ouvi uma ou quatro músicas do miss A durante todo este largo espaço de procrastinação que seguro em minhas mãos.

Mas não vou negar, na primeira vez que vi o videoclipe de “Fantasy“, ignorei completamente a péssima progressão de acordes (se houver) e me deslumbrei com a proposta visual tal como seus subtextos. Pois é inegável, todos nós vivemos em algum nível de “Fantasy”. Voltando para a faixa em si, eu até anotei num rodapé qualquer “vocal fraco e achatado”. Contudo, é muito boa a sensação de quando a sentença se prova errada. É justamente por isso que “Stalker” está aqui.

Continuar lendo “Stalker, Shameless: Fei e Camila Cabello na rota do Industrial”

Black Halo, Hybrid

Hybrid lançou recentemente seu sexto álbum de estúdio, “Black Halo”, e como você pode esperar de uma das maiores referências da Bass music, é sombrio, emotivo e tecnologicamente elegante. Em grande parte escrito durante a turbulência de 2020, o álbum celebra a perseverança e o triunfo do espírito humano. Não importa o que a vida nos lance, nós prosperamos e sobrevivemos.

“Black Halo” alcança os pontos doces entre os contrastes mais uma vez. Em algum lugar entre orgânico e eletrônico, fé e escapismo, cordas e sintetizadores, bateria e baixo, medo e esperança. É um lugar onde Hybrid pode contar suas histórias mais ousadas até agora. Como aponta a narração de “Flashpoint”, música que abre o disco para uma grande jornada à frente:

Continuar lendo “Black Halo, Hybrid”

Pixy e crítica à crítica

Sabe o que eu detesto atualmente? Eurocentrismo. Sim, aquela noção arcaica de que a música de verdade consiste apenas nas obras de grandes compositores europeus. Aquela pompa de música clássica e orquestras executando as peças mais complexas que se possa imaginar. Obviamente muitos já questionaram a completa ausência dos outros continentes quando se estuda música erudita, engraçado, não é? Por algum motivo escuso (eugenia) e muitos saqueamentos ao longo de umas centenas de anos, o que era nosso deixou de ser. Ora, música é identidade e nossa identidade passou a valer menos. Tenham isso em mente.

Continuar lendo “Pixy e crítica à crítica”

She Couldn’t, Linkin Park e a vida

Tudo bem, vou respirar fundo, relaxar os ombros e olhar para cima enquanto tudo desmorona. Ninguém acima está vindo me salvar, pois não há alguém. Nunca houve. O que resta é afundar nessa areia movediça, deixar a sombra tomar o controle. Está tudo bem. Saio de casa, ponho um sorriso largo no rosto e finjo que o chão abaixo de meus pés não está tremendo.

É apenas a vida, a besta indomável de todas as circunstâncias. E eu posso sentir o medo. Eu posso sentir o medo abrir como uma janela. De todos os caminhos que tracei e percorri, acabei escolhendo a estrada mais escura. Escolhi esta estrada por querer tocar no tom mais escuro da escuridão, então o fiz. Não sei se era paz ou abismo, mas havia um sagrado e profundo silêncio.

Continuar lendo “She Couldn’t, Linkin Park e a vida”

Goodbye, 2NE1 e a ausência

Há um bom tempo venho pensando num homem de aparência misteriosa, vejo-o de longe no final de um corredor. O homem parece estar de terno, tem um relógio dourado de bolso no qual checa as horas de quando em quando. Paciente, ele espera no fim do tal corredor, que dá saída para um grande e belo jardim.

Um sentimento indescritível me tomou enquanto eu olhava o declive do sol, da tarde, das luzes. Então deixei a noite me engolir. Em seguida, toda a angústia, todo o desespero e todo o pesar nos ombros desapareceram. Somente as lágrimas que escorriam pelo meu rosto eram capazes de me aquecer entre os cortes do retraimento.

Continuar lendo “Goodbye, 2NE1 e a ausência”